sábado, 26 de outubro de 2013

EU SEMPRE ESPEREI NO SENHOR

 É nos momentos de aflições que nos aproximamos do Senhor, infelizmente primeiro precisamos sofrer para reconhecer que só o Senhor é Deus.
Raramente encontramos pessoas que estão bem financeiramente buscando a presença de Deus.
Passamos a maior parte da nossa vida preocupados em adquirir patrimônios, mas quando vem as derrotas, as enfermidades, e começamos a ver um caixão a nossa espera então percebemos que tudo que fizemos não tem mais valor para nós.
O conforto e a saúde muitas vezes nos em pede de reconhecer Deus como o Senhor de tudo.
Quando temos tudo não temos tempo para Deus, mas quando perdemos tudo passamos a enxergar Deus como o Senhor das causas impossíveis. Para muitos Deus só existe quando aparecem as decepções.
Os templo de hoje vivem mais cheios de pessoas problemáticas do que pessoas que estão em busca do crescimento espiritual. Muitos seguiam a Jesus não pelo que Ele era, mas sim pelo sinais que Ele fazia. Reconhecer Jesus como o Senhor da nossa vida é, compartilhar com Ele na hora da fartura e na hora do desespero.
Deus somente nos ouve quando nos colocamos na posição de servo fiel,  isso é justo porque Deus é justo.
Um empregado fiel sempre é ouvido pelo seu patrão, mas porem o infiel o patrão o despreza, porque o empregado infiel desonra a sua empresa e o seu nome.
Sendo assim se formos fieis com o Senhor, Ele sempre estará atento as nossas orações.
Nós temos que nos submeter humildemente a Deus para que Ele nos receba como servo fiel, sempre lembrando que servo é aquele que está pronto para servir o seu senhor.
Hoje nas igrejas aprendemos que Deus e Seu Filho Jesus são os servos, porque somos nós quem determinamos o que Deus deva fazer, deixamos a humildade de lado e assumimos a arrogância, somos senhores, e não servos.
Não basta ser servo, mas é preciso ser humilde, reverente; porque o mau servo sempre é castigado pelo seu senhor.
De uma coisa eu tenho certeza Deus despreza o soberbo, mas Ele levanta á todos que se humilha perante Ele.
As palavras que saem da nossa boca tem o poder de nos aproximar de Deus, mas também podem criar um enorme paredão entre e nós e Deus.
141:1 SENHOR, a ti clamo, escuta-me; inclina os teus ouvidos à minha voz, quando a ti clamar. 
141:2 Suba a minha oração perante a tua face como incenso, e as minhas mãos levantadas sejam como o sacrifício da tarde. 141:3 Põe, ó SENHOR, uma guarda à minha boca; guarda a porta dos meus lábios. 141:4 Não inclines o meu coração a coisas más, a praticar obras más, com aqueles que praticam a iniquidade; e não coma das suas delícias. 
141:5 Fira-me o justo, será isso uma benignidade; e repreenda-me, será um excelente óleo, que não me quebrará a cabeça; pois a minha oração também ainda continuará nas suas próprias calamidades. 141:6 Quando os seus juízes forem derrubados pelos lados da rocha, ouvirão as minhas palavras, pois são agradáveis. 141:7 Os nossos ossos são espalhados à boca da sepultura como se alguém fendera e partira lenha na terra. 141:8 Mas os meus olhos te contemplam, ó DEUS o Senhor; em ti confio; não desnudes a minha alma. 141:9 Guarda-me dos laços que me armaram; e dos laços corrediços dos que praticam a iniquidade. 
141:10 Caiam os ímpios nas suas próprias redes, até que eu tenha escapado inteiramente. Quem serve a Deus nunca perde a esperança, porque ainda que estejamos a beira da sepultura Ele nos dará uma nova vida.


Editado por José Simião
26/10/2013