quinta-feira, 31 de março de 2011

COMO NÃO ACREDITAR EM DEUS?

Há muitos anos passado diziam que o computador era uma maquina inteligente, más na minha opinião inteligente é o seu inventor, também Dizem nos dias de hoje que o homem é um ser inteligente, mais inteligente e o seu Criador. Quantas belezas existem na face da terra,são tantas tudo isso torna mais difiçel de não acreditar na existência de Deus, olhe para a natureza veja como tudo é perfeito, as quedas d,agua, as montanhas, as flôres, os animais até mesmo o deserto e lindo. É impossivel acreditar em uma teoria cientifica que tenta provar que tudo aconteçeu, por um certo efeito que ate hoje não prova nada de concreto. São milhares de especie de vidas cada uma com seu formato e comportamentos diferencidos um dos outros. Crendo em Deus o mundo já vive um cáos, imaginém se passarmos a não crêr em Deus. Afinal qual benefiçio traria o ateismo para o mundo? será que acabaria as guerras as prostituições, seria o fim da fome o desinteresse dos governos pelas nações, acabariam os presidios, as escolas melhorariam,o amor pelo proximo estaria em alta. Uma das razões que ainda mantem um pouco de amor nas pessoas é crêr na existençia de Deus. Um ser humano que crê e respeita a Deus pensa muito antes de cometer infração. Uma das provas que mostra a falta de paz por não crêr em Deus, são estes paises onde costantemente estão em guerras, tiram vidas de inocentes, homens sem amor á propria vida se transformam em homens bombas, será que vale a pena deixar de acreditar em Deus,será que os homens são realmente inteligentes. Somente a palvra de Deus nos adivertira para fugirmos dos erros, respeitar os nossos semelhantes, graças as pessoas que se dedicam em pregar o evangelho muitos sairam do mundo do crime.
Talvez você me respondera dizendo-me que as igrêjas estão cheias de tranbiqueiros, concordo, mas não existe nenhum homem perfeito na façe da terra.
Um amigo me mostrou varias fotos de miseria por todas as partes do mundo, e me perguntou que Deus é este o seu, eu o repondi o proprio homem gera as suas desgraças, por suas ganaçias, falta de amor ao proximo, e mais Deus nos deu a liberdade para escolher qual caminho á seguir, se queremos seguir o caminho que satisfaz os nossos desejo assim seja.

Texto editado por José Simião
31/03/2011

terça-feira, 29 de março de 2011

EU MESMO DEVO PERDOAR, OU ENTREGAR PARA DEUS?

O VERDADEIRO CRENTE DEVE GUARDAR MAGOAS?

Há quantos anos você guarda magoas de alguém dentro do seu coração, nas suas orações você diz a Deus que tudo bem eu perdôo o irmão, mas você não se sente bem quando ouve falar do irmão que pecou conta você. Talvez você ate mude de igreja para evitá-lo, faz comentários em rodinhas, daquele que magoou você. Quantos crentes e ate mesmo lideres de igreja que não conhecem o perdão de Jesus, pregam más não vivem o que pregam são verdadeiros hipócritas que exigiam que os outros seguissem as leis más eles mesmos não as cumpriam. Se você morrer levando magoas, de pessoas a quem você dizia no passado serem seu irmão na fé você ira com toda certeza para o INFERNO porque ódio magoa, não fazem parte do reino dos céus, Mateus Cap. 6 versus 15, Seu pai celeste perdoará a vocês se vocês perdoarem aqueles que pecaram contra vocês; mas se vocês se recusarem a perdoar-lhes Deus na perdoara a vocês.
Eu pergunto A você que Jesus é este que você segue, e prega para as pessoas, se você diz que perdoou alguém ou que entregou nas mãos do Senhor, e continua evitando a tal pessoa, você é um mentiroso, prega a mentira não conhece o amor de Cristo.
Talvez você me diga, mas eu sou Humano eu concordo só que você é um ser humano que conhece o verdadeiro amor.
Jesus foi humilhado, o chamaram de mentirosa mesmo assim ele perdoa a todos.
Talvez você viva na ilusão porque acha que é uma pessoa culta é o dono da razão, saiba que para Deus vale mais a oração de um analfabeto humilde do que de um intelectual arrogante. Tiago Cap. 4 versus 6 mas Ele nos cada vez mais forças para resistir a todos esses maus desejos. Como dizem as Escrituras, Deus da forças ao humilde más Se opõe ao orgulhoso e ao arrogante.
Porem se você diz ser imitador de Cristo, más não conhece a pratica do perdoar esta precisando conhecer mais a palavra, não sei quantos anos você tem de banco de igreja ou de liderança, talvez precise de se converter.
Imaginem José o filho de Jacó se não conhecesse a palavra perdão, após ser vendido por seus irmãos, ter sofrido na prisão por falsa acusação da mulher de Potifar, será que ele teria levado os seus irmãos e pai para o Egito, para livrá-los da miséria causada pela seca, Deus habitava no coração de José.
Quando Deus habita no coração de uma pessoa ela se torna inteligente, más não -arrogante. José tinha apenas dezessete anos quando seus irmãos, friamente, venderam-no para a escravidão. Separado de sua família e do seu país, ele atingiu a posição de supervisor da casa de Potifar, seu senhor egípcio. Mas o desastre atingiu-o novamente. Ele recusou os avanços sexuais da esposa de Potifar e ela acusou-o falsamente de assediá-la. Ele foi posto na prisão, onde, mais uma vez, o Senhor estava com ele e se tornou o supervisor dos outros prisioneiros. José permaneceu durante dois anos (Gênesis 37; 39).
Faraó, rei do Egito, teve um sonho e desejava sua interpretação. José foi capaz, pelo poder de Deus, de interpretar o sonho de Faraó e foi exaltado a uma posição de poder próxima à do próprio Faraó. Este fê-lo encarregado da armazenagem e da distribuição dos cereais em toda a terra do Egito. Foi depois disto que os irmãos de José vieram ao Egito para comprar cereais. Estava dentro do poder de José tomar vingança contra aqueles que tinham pecado contra ele tantos anos atrás. Contudo, a Bíblia nos conta que José experimentou seus irmãos e, tendo visto o arrependimento deles, recebeu-os com lágrimas e afeto (Gênesis 45:1-15). Ele os tinha perdoado por seu pecado.
Muitas pessoas não perdoariam como José o fez. Não é fácil, freqüentemente, perdoar, e quanto maior a intimidade que temos com aquele que peca contra nós, mais difícil é perdoá-lo. As Escrituras nos ensinam, contudo, que a má vontade em perdoar os outros nos retira o perdão divino. Jesus ensinou: "Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará; se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas" (Mateus 6:14-15). Desde que todos os indivíduos responsáveis diante de Deus necessitam de perdão, é “portanto” indispensável que entendamos e pratiquemos o perdão.
O que é o Perdão?
A palavra grega traduzida como "perdoar" significa literalmente cancelar ou remir. Significa a liberação ou cancelamento de uma obrigação e foi algumas vezes usada no sentido de perdoar um débito financeiro. Para entendermos o significado desta palavra dentro do conceito bíblico de perdão, precisamos entender que o pecador é um devedor espiritual. Até Jesus usou esta linguagem figurativa quando ensinou aos discípulos como orar: "e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores" (Mateus 6:12). Uma pessoa se torna devedora quando transgride a lei de Deus (1 João 3:4). Cada pessoa que peca precisa suportar a culpa de sua própria transgressão (Ezequiel 18:4,20) e o justo castigo do pecado resultante (Romanos 6:23). Ele ocupa a posição de pecador aos olhos de Deus e perde sua comunhão com Deus (Isaías 59:1-2; 1 João 1:5-7).
A boa nova do evangelho é que Jesus pagou o preço por nossos pecados com sua morte na cruz. Quando aceitamos o convite para a salvação através de nossa obediência aos mandamentos de Deus, ele aceita a morte de Jesus como o pagamento de nossos pecados e nos livra da culpa por nossas transgressões. Não ficamos mais na posição de infratores da lei ou devedores diante de Deus. Somos perdoados!
O perdão, então, é um ato no qual o ofendido livra o ofensor do pecado, liberta-o da culpa pelo pecado. Este é o sentido pelo qual Deus “esquece” quando perdoa (Hebreus 8:12). Não que a memória de Deus seja fraca. Por exemplo, Deus lembrou-se do pecado de Davi a respeito de Bete-Seba e Urias muito tempo depois que Davi tinha sido perdoado (2 Samuel 12:13; 1 Reis 15:5). Ele liberta a pessoa perdoada da dívida do seu pecado, isto é, cessa de imputar a culpa desse pecado à pessoa perdoada (veja Romanos 4:7-8).
O Perdão é Condicional
É importante entender que o perdão de Deus é condicional. Deus perdoa livremente no sentido que ele não exige a morte do pecador que responde a seu convite de salvação, permitindo que a morte de Jesus pague a pena por seus pecados. Contudo, Deus exige fé, arrependimento, confissão de fé e batismo como condições para o perdão do pecador estranho (Marcos 16:16; Atos 2:37-38; 8:35-38; Romanos 10:9-10). O perdão é também condicional para o cristão que peca. O arrependimento, a mudança de pensamento, precisam ocorrer antes que o perdão divino seja estendido (Atos 8:22). Deus nos chama a perdoar assim como ele perdoa. Quando alguém peca contra mim, ele se torna um transgressor da lei de Cristo. Eu o considero um pecador. Se ele se arrepende e pede para ser perdoado, eu tenho que perdoá-lo, isto é, libertá-lo de sua culpa como transgressor. Quando eu o perdôo, não o considero mais um pecador. Posso não ser literalmente capaz de esquecer o pecado que ele cometeu mais do que Deus literalmente "esquece" nossos pecados, mas preciso deixar de atribuir a ele a culpa pelo seu pecado. Deste modo, eu o liberto de sua "dívida"”
E se o pecador não se arrepender? Tenho que perdoar aquele que peca contra mim, mas não se arrepende? Talvez esta pergunta seja melhor respondida pelas palavras de Jesus: "Acautelai-vos. Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; se ele se arrepender, perdoa-lhe. Se, por sete vezes no dia, pecar contra ti e, sete vezes, vier ter contigo, dizendo: Estou arrependido, perdoa-lhe" (Lucas 17:3-4). Jesus indicou que o perdão deveria ser estendido quando o pecador se arrepende e confessa seu pecado. Precisamos também lembrar que Deus sempre exige arrependimento como condição de divino perdão. Deus não exige de nós o que ele mesmo não está querendo fazer.
Perdão Não É . . .
De fato, se libertamos o pecador de sua culpa sem arrependimento, encorajamo-lo a continuar em seus modos destruidores. O perdão não é a desculpa pelo pecado. Algumas pessoas "esquecem," isto é, ignoram os pecados cometidos contra elas porque têm medo de enfrentar o pecador. Entretanto a Bíblia é bem explícita sobre o curso da ação a ser seguida quando um irmão peca contra mim (Lucas 17:3; Mateus 18:15-17). O perdão fala de misericórdia, mas não deverá ser confundido com a tolerância e permissão do pecado. O Senhor perdoará ou punirá o pecador, dependendo da reação do pecador ao evangelho, mas ele não tolera a iniquidade.
A Bíblia ensina que o direito de vingança pertence ao Senhor (Romanos 12:17-21). O perdão, contudo, não é simplesmente uma recusa a tirar vingança. Algumas vezes a pessoa ofendida abstém-se de responder ao mal com o mal, mas não está querendo libertar o pecador de sua condição de transgressor mesmo quando o pecador se arrepende. A pessoa contra quem se pecou pode querer usar o pecado como um cacete para castigar o pecador, mencionando-o de vez em quando para vergonha do pecador. Se perdoo meu irmão, tenho que "esquecer" seu pecado no sentido que não mais o atribuo a ele.
O perdão não é a remoção das consequências temporais de nosso pecado. O homem que assassina outro pode arrepender-se e procurar o perdão, mas ainda assim sofrerá o castigo temporal da lei humana. Mesmo se perdoado, pode ter que passar o resto de sua vida na prisão. O perdão remove as consequências eternas do pecado!
Como Posso Perdoar?
O pecado danifica as relações entre as pessoas como prejudica nossa relação com nosso Criador. A pessoa contra quem se pecou frequentemente se sente ferida, talvez irada pela injustiça do pecado cometido. O perdão é necessário para a cura espiritual da relação, mas precisamos preparar nossos corações para perdoar. Precisamos aceitar a injustiça do ferimento, a deslealdade do pecado, e ficarmos prontos para perdoar (observe os exemplos de Jesus e Estevão; Lucas 23:34; Atos 7:60). Mesmo se o pecador se recusar a se arrepender, não podemos continuar a nutrir a raiva, ou ela se tornará em ódio e amargura (veja Efésios 4:26-27,31-32). Ainda que o pecador possa manter sua posição como transgressor por causa de sua recusa a se arrepender, seu pecado não deverá dominar meu estado emocional.
E se o pecador se arrepender? Como posso aprender a perdoar? Jesus contou uma parábola sobre um servo que devia uma quantia enorme (10.000 talentos) ao seu rei (Mateus 18:23-35). Ele era incapaz de pagar a dívida e implorou ao rei por compaixão. O rei perdoou-o por sua enorme dívida, mas este servo prontamente saiu e encontrou um dos seus companheiros servos que devia a ele uma quantia relativamente pequena e exigiu pagamento, agarrando-o pelo pescoço. Ainda que o companheiro de servidão implorasse por compaixão, o credor entregou-o à prisão. Quando o rei foi informado dos atos de seu servo incompassivo, irou-se e reprovou este servo, entregando-o aos torturadores até que ele pagasse totalmente sua dívida. É claro que estamos representados na parábola pelo servo que tinha uma dívida enorme. Não há comparação entre as ofensas que temos cometido contra Deus e aquelas que têm sido cometidas contra nós. Jesus observou que, justo como no caso do servo não misericordioso, o Pai não nos perdoará por nossas infraçõe se não perdoarmos nossos companheiros (18:35; veja também Mateus 5:7).
Para nos prepararmos para perdoar, precisamos lembrar que nós mesmos somos pecadores e necessitados do perdão divino (Romanos 3:23). No caso do cristão, Deus já lhe perdoou uma imensa dívida no momento do batismo. Quando nos lembramos da grandeza da dívida que Deus quer nos perdoar, certamente podemos perdoar aqueles que nos devem muito menos em comparação (Efésios 4:32; Colossenses

Texto editado por José Simião
29/03/2010

domingo, 20 de março de 2011

QUAL A IMPORTÃNCIA DO ESPIRITO SANTO EM NOSSA VIDA

Um Cristão Precisa do Batismo do Espírito Santo
Para Obter uma Vida Mais Cheia da Plenitude do Espírito Santo?
A QUESTÃO:

Um dos ensinos fundamentais da Teologia Pentecostal/Carismática é que o crente regenerado precisa de uma segunda obra da graça, a qual é comumente chamada de o batismo do Espírito Santo. Geralmente, esta experiência é supostamente evidenciada pelo falar em línguas. Para uma prova bíblica, esta visão aponta para os vários derramamentos do Espírito Santo como registrado no livro de Atos (2,8,11,9) e insiste que estas experiências devem ser normativas para a vida cristã. Isto levanta questões altamente significantes, tais como, o que é a obra batizadora do Espírito Santo, e, um cristão deve receber uma necessária segunda obra da graça, para viver na plenitude do Espírito Santo, como somos ordenados a viver (Efésios 5:18)? Este estudo tratará destas questões e sugerirá algumas respostas bíblicas.


O REGISTRO BÍBLICO

A expressão atual, “batizado com o Espírito Santo”, ocorre somente 7 vezes no Novo Testamento, embora haja outros versos que estão relacionados ao conceito. Para ser acurado (como alguém sempre dever ser ao interpretar a Bíblia), a expressão comum “Batismo DO Espírito Santo” nunca é usada na Bíblia. Ela fala do “batismo DE João” (Mateus 21:25, Marcos 11:30; Lucas 7:29; 20:4, Atos 1:22; 18:25) e descreve-o como “o batismo de arrependimento” (Marcos 1:4, Lucas 3:3; Atos 13:24; 19:4). Pelo contrário, a cláusula em discussão sempre usa o verbo “batizar” seguido pela frase preposicional “com o Espírito Santo”

A PREDIÇÃO DE JOÃO NO BATISMO DE JESUS:

Mateus 3:11 - Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo.
Marcos 1:8 - Ele vos batizará com o Espírito Santo.
Lucas 3:16 - João respondeu, dizendo a todos: Eu, na verdade, vos batizo com água, mas vem aquele que é mais poderoso do que eu, de quem não sou digno de desatar a correia das alparcas; ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo.
João 1:33 - “Eu não o conhecia; mas o que me enviou a batizar com água, esse me disse: Aquele sobre quem vires descer o Espírito, e sobre ele permanecer, esse é o que batiza com o Espírito Santo”.

Observações:

João profetiza um evento futuro, apontando um tempo quando o Messias batizaria (tempo futuro) com o Espírito Santo.
Ele contrasta seu próprio batismo de água com o batismo com o Espírito do Messias, sendo esse o grande cumprimento e realidade espiritual do sinal externo.

A CLÁUSULA USADA EM CONEXÃO COM O DIA DE PENTECOSTE
Atos 1:5 - “Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, dentro de poucos dias”.


Observações:

O Senhor Jesus fez esta profecia precisamente antes de Sua ascensão aos céus.
Ele se refere ao evento que estava para acontecer, e o contexto obviamente encontra cumprimento no Dia de Pentecoste, quando Ele derramou o Seu Espírito Santo sobre os discípulos no Cenáculo (Atos 2). Isto se torna uma evidência primária de que Jesus verdadeiramente é o Messias (Atos 2:33).


REFERÊNCIA DE PEDRO AO DIA DE PENTECOSTE
Atos 11:16 - “ Lembrei-me então da palavra do Senhor, como disse: João, na verdade, batizou com água; mas vós sereis batizados com o Espírito Santo”.


Observações:

Este derramamento do Espírito Santo é relacionado ao Pentecoste (Atos 2) como um cumprimento contínuo do ministério do Senhor que ascendeu em batizar o Seu povo com o Espírito Santo. Isto mostra que o batismo com o Espírito é mais do que aquilo que aconteceu em Pentecoste, mas, contudo, ele liga todo crente ao grande evento na história da redenção.
A expressão está intimamente ligada com o batismo com água; de fato, ela é quase sempre usada no contexto de batismo de água (isto é, o batismo de Jesus bem como o batismo de Cornélio nesta passagem). Uma pessoa deve deduzir que o batismo de água é evidentemente uma evidência do batismo com o Espírito. Claramente, dos dois, o batismo com o Espírito é a realidade e a obra eficaz pela qual o Espírito Santo vem para habitar no crente.


A CLÁUSULA USADA EM 1 CORÍNTIOS 12:13 COM UMA DECLARAÇÃO DOUTRINAL DO FATO EXPERIMENTAL:
O verso mais importante para explicar o ser batizado com o Espírito Santo deve, certamente, ser 1 Coríntios 12:13, visto que ele é o único verso do Novo Testamento que realmente explica o conceito: “Pois em um só Espírito fomos todos nós batizados em um só corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos quer livres; e a todos nós foi dado beber de um só Espírito”.

Observações:

Paulo descreve claramente uma experiência universal verdadeira de todos os cristãos: “fomos todos nós batizados em um só corpo...e a todos nós foi dado beber de um só Espírito”. Isto é comum para alguém que está no corpo de Cristo.
Esta experiência obviamente não divide cristãos entre aqueles que têm o batismo com o Espírito Santo e aqueles que não o têm, mas antes, ela unifica o corpo inteiro de Cristo num mesmo status espiritual como todos aqueles que compartilham do batismo com o Espírito Santo em comum.
Paulo fala de uma experiência passada produzida pelo Espírito Santo: ele não escreve, “Vocês precisam ser batizados com o Espírito Santo”, mas antes, ele declara, “Vocês foram batizados” (o grego aoristo passivo indica uma experiência num tempo passado). Note esta mudança para o tempo futuro usado nos Evangelhos e em Atos, pois o cumprimento aconteceu no Dia de Pentecoste e foi repetido na regeneração de indivíduos.

OUTROS DIVERSOS VERSOS QUE MENCIONAM O ASPECTO ESPIRITUAL DO BATISMO:

Romanos 6:3 - Ou, porventura, ignorais que todos quantos fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte?
Romanos 6:4 - Fomos, pois, sepultados com Ele pelo batismo na morte, para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.
Gálatas 3:27 - Porque todos quantos fostes batizados em Cristo vos revestistes de Cristo.
Colossenses 2:11,12 - No qual [Cristo] também fostes circuncidados com a circuncisão não feita por mãos no despojar do corpo da carne, a saber, a circuncisão de Cristo; tendo sido sepultados com Ele no batismo, no qual também fostes ressuscitados com Ele pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos;

Observações: Embora estes versos sejam freqüentemente citados para explicar o batismo de água, sua referência primária é ao batismo experimental em Cristo. Embora a obra do Espírito Santo não seja mencionada especificamente como o agente eficaz do batismo, é razoável assumir que este seja o caso, visto que é o Espírito Santo quem nos une ao Senhor Ressurrecto na obra da regeneração. Em todo caso, Paulo descreve não uma segunda experiência, mas a obra inicial pela qual somos batizados em Cristo. Esta experiência se torna a raiz de todas as mudanças reais efetuadas pelo Espírito Santo, capacitando os crentes a andaram em novidade de vida.

REFERÊNCIAS ADICIONAIS AO BATISMO:
Hebreus 6:2 chama a “doutrina de batismos” um dos princípios elementares de Cristo, mas não especifica quais batismos são estes. Ele espera que o leitor já saiba.

Este estudo tem mostrado que há diversos batismos mencionados no Novo Testamento. Além do batismo de arrependimento de João, do batismo com água, do batismo com o Espírito, do batismo em Cristo (Romanos 6:3) e do batismo em Sua morte (Romanos 6:4), o Novo Testamento também menciona o batismo pelos mortos (seja lá o que for! 1 Coríntios 15:29), e o ser batizado em Moisés (1 Coríntios 10:2).

Todavia, a fórmula credal em Efésios 4:5 menciona somente “um batismo”. A qual destes batismos ela se refere? Qual destes vários batismos é essencial para a salvação?

É o batismo de água, como os que crêem no batismo regeracional insistem? Se sim, por que Paulo subestima a cerimônia do batismo quando ele diz em 1 Coríntios 1:17, “Cristo não me enviou para batizar, mas para pregar o evangelho; não em sabedoria de palavras, para não se tornar vã a cruz de Cristo”. Embora Pedro nos diga que “o batismo nos salva”, ele adiciona que ele não é a mera remoção da imundícia da carne, mas “a resposta de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo” (1 Pedro 3:21).

É o “um batismo” a segunda obra da graça, ou seja, o batismo do Espírito Santo, como os Pentecostais insistem? Se ele é a cura total para o pecado e a chave para a plenitude do Espírito, porque tal doutrina crucial é discutida somente uma vez nas epístolas (1 Coríntios 12:13)? Por que o Novo Testamento não promove o batismo do Espírito como a resposta para todo problema encontrado na igreja primitiva? O silêncio é atordoador!

Claramente, o “um batismo” que nos une a Cristo é ser batizado com o Espírito Santo, pelo qual um pecador morto é feito vivo quando seu espírito é unido com a Vida do Senhor Ressurrecto, pela regeneração e renovação do Espírito Santo (Tito 3:5). Este é o verdadeiro batismo com o Espírito que é absolutamente essencial para a salvação: ele é a resposta à obrigação imposta por Jesus, “Vocês devem nascer de novo” - concebida espiritualmente pelo Espírito (João 3:3,5,7). Embora o Espírito se mova soberanamente como o vento (João 3:8) e não possa ser manipulado pelo homem pecador, Jesus nos encoraja, em Lucas 11:13, “Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais dará o vosso Pai celestial o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?”.

IMPLICAÇÕES DA DOUTRINA DA SEGUNDA OBRA:

Se é um segundo batismo do Espírito Santo que traz a verdadeira plenitude, isto não implica que a regeneração sofre de uma inadequação que precisa ser suplementada por uma segunda obra da graça? Como pode isto ser, quando na regeneração o cristão recebe a Pessoa do Espírito Santo (1 Coríntios 2:12), é batizada em Cristo (Romanos 6:3-4) , é feita completa nEle (Colossenses 2:10) e lhe é dado tudo o que diz respeito à vida e à piedade (2 Pedro 1:3-4)? A necessidade, pelo que parece, não é receber algo mais que a pessoa não possua, mas reivindicar o que já lhe foi dado!

Além disso, se o batismo de água é uma figura visual do derramamento do Espírito Santo (uma óbvia conexão freqüentemente não vista por muitos), então a necessidade de uma segunda ora da graça denigre o batismo de água como o sinal do batismo do Espírito. Um cristão que entende que o batismo de água celebra a obra transformadora de regeneração pelo Espírito Santo, não verá qualquer necessidade de uma segunda obra da graça após a regeneração, visto que a vinda do Espírito Santo nos une com o Senhor Ressurecto e nos faz completos nEle, de forma que não temos falta de nenhum dom (1 Coríntios 1:7).

CONCLUSÕES:

A questão principal é se o batismo do Espírito Santo é uma segunda obra da graça necessária para o viver cristão bem sucedido, se ele é acompanhado pelo dom de línguas ou pela santificação completa (como a teologia Wesleyana ensina), e se ele é a chave para uma vida espiritual profunda (como implicado pelo Movimento da Vida Superior).

Certamente o Novo Testamento ensina que é essencial para alguém o ser batizado com o Espírito Santo, mas a Bíblia mostra que a obra do Ungido em batizar com o Espírito Santo é, de fato, uma obra inicial da graça, não uma segunda obra da graça. Todo regenerado pelo Espírito Santo foi batizado pelo Espírito Santo como uma experiência de fato, segundo 1 Coríntios 12:13.

Além disso, uma leitura do Novo Testamento não revelará que ele ensina uma segunda obra da graça após a regeneração, muito menos uma evidenciada pelo falar em línguas, visto que 1 Coríntios 12:13 declara claramente que nem todos falam em línguas. Pelo contrário, ele revela a necessidade de santificação progressiva pelo enchimento e pelo guiar do Espírito Santo.

Mas, o que dizer do mandamento de Jesus para “esperar pela promessa do Pai” (Atos 1:4)? Fazer com que isto seja normativo hoje é confundir o que é único na experiência da igreja primitiva e o que é regular para a igreja em existência. Fazer vistas grossas para esta distinção cria um perigo muito real de interpretar a Escritura à luz de uma experiência, e não a experiência à luz da Escritura. Qualquer experiência espiritual que não concorde com a Bíblia é emocionalmente induzida ou, ainda pior, produzida pelo demônio. Seja qual for, ela prova ser uma experiência falsa que leva alguém para longe de Cristo, e não para perto dEle.

A solução, então, não é encontrada na busca de uma segunda obra da graça necessária após a regeneração, mas antes no uso de todos os dons e graças concedidos na regeneração. Em Cristo, o cristão é completo, tudo que diz respeito à vida e à piedade é lhe dado: o que ele necessita é conhecer mais dEle através do guiar e do enchimento diário do Espírito Santo, de forma que possamos andar no fruto do Espírito Santo (Gálatas 5:22-23). Este é verdadeiramente o caminho para a vitória e a plenitude!


Stephen O. Stout é Pastor da Igreja Presbiteriana Prosperidade em Charlotte, Carolina do Norte

segunda-feira, 14 de março de 2011

PORQUE ANDAR NO ESPIRITO?

Quem anda no Espírito desfruta dos benefícios do Espírito, mas porem aquele caminha sobre as trevas, sobre o mal edificara sua moradia.
Quando vivemos em Espírito tudo que fazemos, fazemos para glorificar a Deus, porque o Espírito esta habitando em nós.
O nosso corpo e o templo do Espírito Santo devem estar sempre limpos, e pronto para a sua moradia. E o Espírito Santo não habita em templo sujo, porque é o Espírito de Deus.
Todas as ciladas do diabo, parecem agradáveis aos nossos olhos exatamente quando estamos evitando a comunhão com o Espírito de Deus, porque ele sabe que este é o momento fácil para mudar a nossa cabeça.
Quem anda no Espírito não mente e nem rouba, exclui o orgulho, a vaidade e não freqüenta a roda de escarnecedores, foge da prostituição porque sabe que seu corpo é mordia do Espírito de Deus.
Na carta do apostolo Paulo aos gálatas, Cap. 5 versus 16 a 26. 6-6 18
“Digo, porém: Andai pelo Espírito, e na haveis de cumprir a cobiça da carne. Porque a carne luta contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes se opõem um ao outro, para que não façais o que quereis. Mas se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei. Ora, as obras da carne são manifestas, as quais são: a prostituição, a impureza, a lascívia, a idolatria,a feitiçaria, as inimizades, as contendas, os ciúmes, as iras, as facções, as dissensões, os partidos , as invejas, as bebedices, as orgias, e as coisas semelhantes a estas, contra as quais vos previ nos, como já antes vos preveni, que os que tais coisas praticam não herdarão o reino de deus.
Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas não há lei.
E os que são de Jesus Cristo crucificaram a carne com suas paixões e concupiscências.
Se vivemos pelo Espírito, andemos também pelo Espírito.
Não nos tornemos vangloriosos, provocando-nos uns aos, invejando-nos uns aos outros.”
“E o que está sendo instruído na palavra, faça participante em todas boas coisas aquele que o instrui.
Não vos enganeis; Deus não se deixa escarnecer; pois tudo que o homem semear, isso também ceifará a corrupção. Mas quem semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna. E não nos cansemos de fazer o bem, porque ao seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido. Então, enquanto temos oportunidade, façamos o bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé. Vede com que grande letra vos escrevo com minha própria mão. Todos que querem ostentar boa aparência na carne, esses vos obrigam a circuncidar-vos somente para não serem perseguidos por causa da cruz de Cristo.
Porque nem ainda estes mesmos que se circuncidam guardam a lei, mas querem que vos circuncideis, para se gloriarem em vossa carne. Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo. Pois nem a nem a circuncisão nem a incircuncisão é coisa alguma, mas sim o ser uma nova criatura.
E a todos quantos andarem conforme esta norma, paz e misericórdia sejam sobre eles e sobre o Israel de Deus. Daqui em diante ninguém me moleste; Porque eu trago no meu coração as marcas de Jesus.
A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja, irmãos, com o vosso espírito. Amém.
Quando não somos guiados pelo Espírito de Deus, somos iguais um navio, ou avião sem GPS, ficamos totalmente desorientados prontos para cair nas armadilhas de satanás.
Quando começamos a ler o evangelho da água e do Espírito, passamos a entender, porque razão deve receber o Espírito Santo de um modo seguro, para que não vivamos na ilusão sem conhecer o verdadeiro Espírito de Deus, e continuemos acreditando que estamos agradando a Deus.
È exatamente o que satanás quer que você acredite que esta cheio do Espírito Santo, e não procure buscar conhecimento da palavra, então você se ilude com o falar de línguas estranhas gritos e pulos mas na verdade o Espírito de Deus não esta presente, são apenas momentos de transe em que os lideres possuem o total domínio sobre o publico aplicando técnicas parapsicológicas.
Isto não é andar em Espírito Santo de Deus.

Texto editado por Jose simião
A graça e a paz a todos

14/03/2011
http://caminhadanodeserto.wordpress.com/
E-mail joshefsimon@hotmail.com

quinta-feira, 3 de março de 2011

Deus é minha fôrtaleza

PORQUE FIRMAR OS PÉS SOBRE A ROCHA?

Todos os engenheiros quando vão executar a construção de um prédio, primeiro “fazem” a sondagem do solo procurando terrenos rochosos para que a construção tenha total segurança, para que no futuro não venha desabar podendo causar gravíssimos acidentes. Apos a sondagem então e dado o inicio da construção tudo conforme o projeto do arquiteto. A nossa vida espiritual também deve ser firmada sobre a rocha que é Jesus Cristo. Se construirmos um prédio sobre a lama com certeza ira cair logo, talvez antes de sua inauguração. Se formos moradas do Espírito Santo, é porque somos casas ou templos onde ele habita. Se não firmamos nossas vidas em Jesus e em suas palavras, também logo cairemos porque não estamos firmes na rocha a qual é Cristo o filho de Deus. No livro de Salmos Cap. 40 Ver 1 o Salmista expressa com palavras convictas que o Senhor o socorreu quando estava afundado em um lamaçal, um poço de desespero Ele narra de uma forma calma e tranqüila mostrando nos total confiança no Senhor nosso Deu. Mas podemos Observar que ele diz que esperou com paciência no Senhor ele não se apavorou porque era convicto que o Senhor o ouviria na hora certa. Ele também relata que o Senhor o fez andar sobre rochas. Alem de colo-calo em total segurança pos- lhe em seus lábios uma nova canção de louvor a Deus, também o Salmista diz que os feitos do Senhor em sua vida virariam noticiais, e muitos saberiam do grande milagre que Deus fez em seu momento de aflição, “e” através do seu testemunho muitos passariam a respeitar o nosso Deus. Após contar o que o Senhor fez em sua vida ele começa a engrandecer a Deus. No Versículo 5 e diz. Meu Senhor são muitos e formidáveis os milagres que tens feito para nos. Os teus planos são perfeitos. Ninguém pode ser comparado a ti. Gostaria de anunciar ao mundo as tuas grandes obras, mas elas são tantas que durante toda a minha vida não as divulgarias por completo. Muitas vezes entramos em desespero e começamos a gritar parecendo não confiar “em” nosso Deus. Perdemos noites e mais noites de sono, porque não sabemos colocar a nossa fé em pratica, temos um Deus que nos mesmo não o conhecemos, não deixamos ele nos mostrar o seu poder, falamos para outro sobre o seu poder “mas” quando nos somos levados a momentos de provação, nos que somos servos desconhecemos o seu poder. Então começamos a demonstrar que não vivemos o que pregamos e que temos um Deus, mas não temos total confiança nele quando o problema é exclusivamente nosso, esta é a hora da grande provação hora de mostrar que não estamos sós, mas pela nossa falta de fé e comunhão com Deus, então entra o oposto do relato do Salmista, vem as tristezas derrotas lamentações deixamos a convicção do poder de Deus, e passamos acreditar na sorte. É este o exato momento em que satanás entra em ação para terminar de nos afundar. Porque já estamos dominados pela a tristeza a derrota o fracasso, a leitura da palavra já não nos trará prazer. Então sentamos e assistimos a nossa pro-pria derrota. Todo o efeito negativo na vida espiritual do crente vem através da inabilidade do manejo da bíblia. Uma das causas do desinteresse a leitura da bíblia e a falta de disciplina nas Igrejas e ensinamentos baseados na bíblia que venha nos advertir para que não caiamos em pecados, e que nos incentive a sentir prazer em ler a bíblia todos os dias. A bíblia e o manual de sobrevivência do crente. Aos Efésios Cap. 6 ver 1 a17

Texto editado por Jose Simião
07/02/2011